O que você procura?

terça-feira, 25 de outubro de 2016

CÂMARA FEDERAL: COMISSÃO APROVA ADICIONAL DE PERICULOSIDADE A CARREIRAS DA SEGURANÇA PÚBLICA

Resultado de imagem para AGENCIA CAMARAO projeto também inclui as carreiras de segurança e de policiais legislativos federais na categoria de típicas de Estado e estende o adicional a inativos

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público aprovou proposta que assegura a integrantes de órgãos de segurança pública, a agentes penitenciários e a policiais legislativos federais (Câmara e Senado) o direito a adicional de periculosidade.

Por meio de emendas, o mesmo direito foi concedido a servidores públicos e demais profissionais que atuam em unidades do sistema prisional.

Pelo texto, cada ente federado deverá estabelecer o valor do adicional de periculosidade, desde que observado um percentual mínimo de 30% sobre a remuneração total, excetuando-se do cálculo as vantagens de natureza pessoal.

Carreiras de EstadoA proposta ainda transforma as carreiras da segurança pública e da Polícia Legislativa Federal em atividades típicas de Estado – ou seja, integrantes de um núcleo de atividades exclusivas que só o Estado pode realizar.

O texto é um substitutivo do relator, deputado Cabo Sabino (PR-CE), ao Projeto de Lei 193/15, do deputado Major Olimpio (PDT-SP).

Originalmente, o projeto previa o adicional apenas para os integrantes do sistema de segurança pública (Polícia Federal; Polícia Rodoviária Federal; Polícia Ferroviária Federal; polícias civis; militares e corpos de bombeiros militares).

Emendas - Sabino decidiu acolher três emendas aprovadas pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado e duas apresentadas pela deputada Érika Kokay (PT-DF).

As emendas da Comissão de Segurança estendem o direito ao adicional de periculosidade a policiais legislativos federais, integrantes da Câmara dos Deputados e do Senado, e a inativos de todos os órgãos de segurança pública. Pelo texto, os policiais legislativos também terão direito ao adicional na inatividade.

Atualmente, o adicional de periculosidade é limitado aos trabalhadores da iniciativa privada que atuam em contato permanente com inflamáveis, com explosivos, com radiação e eletricidade.

Sistema prisional - Já as emendas da deputada Érika Kokay asseguram a servidores públicos e a empregados que exerçam as suas atividades em unidades dos sistemas prisionais da União, dos estados e do Distrito Federal o direito de receber ao mesmo tempo os adicionais de periculosidade e de insalubridade.

Entre esses trabalhadores estão assistentes sociais, psicólogos, servidores administrativos, professores, além de um grande número de terceirizados. "Mesmo atuando em condições extremamente adversas e quase sempre absolutamente precárias, desempenham atividades de extrema relevância no atendimento ao preso, e também a seus familiares”, argumentou o relator.

Tramitação - A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será votada pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

2 comentários:

jaandrade disse...

Deputado, boa noite. Chegou a hora da verdade: hora de saber se o sr vai votar contra o governador ou contra nós, funcionários públicos.....

Anônimo disse...

Inativos receberem periculosidade?! Desse jeito essa aberração de proposta não passará de maneira alguma das outras comissões e muito menos seria bem votada.

Sejamos sensatos! Os inativos estão muito, mas muito bem com a integralidade. Adicional periculosidade para pessoas que não estão na ativa seria apenas uma proposta para engordar o bolso de uns e tirar do Estado aquilo que serviria para atender às necessidades de quem trabalha e produz segurança pública.

Já o recebimento de insalubridade e periculosidade juntos àqueles que exercem atividades em penitenciárias. Caberia ao Estado a obrigatoriedade de melhorar esses ambientes não apenas indenizar mensalmente os que trabalham nele. Dinheiro no bolso às custas da exposição desnecessária a situações que poderiam ser evitadas pelo Estado é falta de cuidado com o profissional e descaso com todo o sistema.

Sejam sensatos, políticos, não sejam apenas eleitoreiros porque estamos de olhos abertos.