15 de setembro de 2015

SOLDADO DENUNCIA QUE PREFEITO CONDICIONOU PARCERIA EM OBRA NO QUARTEL À SUA TRANSFERÊNCIA DA CIDADE

Notificações de trânsito aplicadas pelo soldado da Polícia Militar, Ederson Rocha Batista, em julho de 2013, a alguns veículos da prefeitura de Campo Azul, no norte de Minas, resultou na transferência do militar para a cidade de São João da Ponte, no norte de Minas. A denúncia foi apresentada pelo soldado na manhã desta terça-feira (15/09) na Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) que debateu as várias ingerências supostamente praticadas pelo prefeito do município, Arnaldo Alves de Oliveira. 

O militar alega que o chefe do executivo usou de tráfico de influência ao solicitar a retirada das multas aplicadas por ele. O soldado se negou a retirar as multas, uma vez que seu trabalho feito foi dentro da legalidadeApós tomar conhecimento da atitude do prefeito, o militar registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.) dando ciência ao Comandante com cópia para a Promotoria da Comarca. Embora tenha sido instaurada uma sindicância administrativa disciplinar para apurar o caso, o soldado foi transferido em janeiro de 2015 para Ibiracatu. A cidade, além de distante de Montes Claros, onde o militar reside com a família, também estaria subordinada ao 30º Batalhão de Polícia Militar, cujo comando, segundo ele, seria responsável pela suposta perseguição.

O soldado não chegou a se apresentar no destacamento de Ibiracatu porque se encontrava em licença para tratamento de saúde. Em março de 2015, retornou ao trabalho em São João da Ponte, onde está até hoje. “Tenho certeza de que vou ser perseguido, vou sofrer mais do que já estou sofrendo. Só quero voltar para Montes Claros, ficar com minha família”, relatou, emocionado.

O soldado Ederson Rocha Batista relatou denúncias de perseguições que estaria sofrendo
O soldado Ederson Rocha Batista relatou denúncias de perseguições
que estaria sofrendo - 
Foto: Pollyanna Maliniak
Ederson Rocha Batista apresentou recurso ao comando geral da PM contra a transferência para São João da Ponte. Ele requer sua transferência para Montes Claros, município que estaria subordinado a outro comando.

O militar foi punido por ter publicado criticas contra o Prefeito da cidade, por isso em seu desfavor perdeu 25 pontos. Ele sofre hoje com problemas psicológicos e psiquiátricos em razão das perseguições que vem sofrendo desde então. 

Segundo seu relato, se ele não fosse transferido, a administração municipal não forneceria a mão de obra para a execução da reforma do quartel da cidade, por meio de um acordo com a Polícia Militar. O recurso no valor de R$ 50 mil é referente à emenda parlamentar destinada pelo Deputado CABO JÚLIO em 2013 destinada para a reforma da unidade. O militar apresentou um projeto de reestruturação ao CABO JÚLIO, que por sua vez, atendeu a solicitação do militar à época.

Comentários no Facebook - O chefe da subcorregedoria da PM, major Osvaldo de Souza Marques, representante da Polícia Militar, rebateu as argumentações do Sd Ederson. O oficial disse que as obras no quartel foram finalizadas antes da transferência do praça. ''Não há o que comprove que a transferência do militar esteja ligada a não execução da obra", afirmou. Ainda segundo o Major, pesa contra o soldado uma comunicação por ter criticado a administração municipal na rede social Facebook. Na sua avaliação, não houve perseguição ao soldado. Sobre as denúncias apresentadas pelo soldado Ederson Batista, as apurações da corregedoria da PM não vislumbraram ilícitos administrativos.

O Deputado CABO JULIO disse que o servidor Ederson não está sob a hierarquia do Prefeito de Campo Azul e que portanto não há nada que o impeça de criticar a administração municipal. "É um direito de todo o cidadão. Quer dizer que um civil pode falar o que quiser mas o policial não?'', argumentou. CABO JÚLIO lembrou que acabou a época em que policial era um cidadão apenas de deveres e sem nenhum direito. Para ele, a subserviência da PMMG frente à administração municipal é um mal que atrapalha a atuação da corporação. "Esses convênios são malditos, pois vem junto a eles uma chantagem pseudoeconômica", argumentou.

O coordenador de operações da Superintendência de Investigação e Polícia da Polícia Civil, Hugo e Silva, informou que já foram encaminhadas cópias da sindicância e dos documentos do caso ao Núcleo de Combate aos Crimes Praticados por Agentes Políticos Municipais e já foi instaurado inquérito policial para apurar os fatos. “Quando vemos um policial nessa situação, toda a sociedade sofre os reflexos dessas possíveis violações de direito”, disse.

O Deputado Cabo Julio vai tratar do caso junto ao Comando Regional para tentar solucionar o caso.

(com ALMG)
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

9 comentários:

Anônimo disse...

É mais tem Oficiais na Unidade falando que com Oficial não se mexe. E com Oficial Superior é como um Clã fechado. Ninguém se mete com eles.

Anônimo disse...

O soldado apresentou recurso ao CMT geral onde "requer" sua transferência para montes claros. Requer ou solicita?

Anônimo disse...

TAIS NOMENCLATURAS NÃO SÃO NADA DE IMPORTANTE. REQUER NÃO ESTÁ ERRADO NÃO POIS É UM DIREITO PREVISTO EM REGULAMENTO. SE SERÁ DEFERIDO SÃO OUTROS 500.

Anônimo disse...

Agora estamos esperando qual sera a atitude do Deputado Cabo Julio, quando for informado que este mesmo policial na data de 15 de outubro de 2015 na cidade de São João da Ponte, teria assassinado um adolescente que passava por local onde este soldado estava em seu carro altas horas da noite traindo a sua esposa com outra e sem motivo aparente assassinou o adolescente conhecido como Marquinho.
E agora Cabo Julio Quem tem razão: O " bom " e "Honesto" soldado ou o adolescente que morreu assassinado por este Bandido Travestido de Policial Militar.

Anônimo disse...

É MESMO!!!! AGORA ESTE POLICIAL MATOU UM JOVEM DE APENAS 19 ANOS DE IDADE NA CIDADE DE SÃO JOÃO DA PONTE. PARABÉNS CABO JULIO, VAMOS DEFENDER QUEM RELAMENTE MERECE CREDIBILITADE

Anônimo disse...

tive conhecimento da morte do jovem pelo "policial" Ederson, realmente o jovem era muito querido na cidade, inclusive tinha um sonho de ser policial militar, ele recebeu um tiro pelas costas e estava a mais de 20 metros de distancia. O 'policial", tentou ludibriar a todos, escondendo o carro no próprio quartel de policia e ajudando nas buscas de provas. ESSE CARA É UM VERDADEIRO CORVADE E MERECER SER EXPLUSO DA POLICIA

eva aparecida gonçalves de souza disse...

gente onde vamos parar com essas leis que acobertam bandidos e deixa a população sem proteção e justiça, quando o estado se omite diante dos crimes, ela quer que as pessoas façam justiça com as próprias mãos, que covardia dessas leis que só encobrem assassinos, fique tranquilo Marcos, se ele não pagar aqui pagará no inferno. ESSE BANDIDO SANGUE FRIO E ADULTERO.

eva aparecida gonçalves de souza disse...

Eu só não jogo uma macumba nesse assassino que o diabo já faz parte da vida dele, porque a bíblia mesmo diz que há pessoas que vem para o mal, mas Deus tem poder contra ele e eu prefiro confiar nas JUSTIÇA DIVINA, porque as dos homens está defasada a muito tempo.

Anônimo disse...

O mais interesse é que, Antes de acontecer essa FATALIDADE em São João da Ponte o Policial era querido na cidade pelos trabalhos que estava desenvolvendo já que em nossa cidade sequer agente via a Policia Militar na rua e esse Soldado era o único que fazia esse serviço.

Interessante que ninguém fala, o que esses meninos estava fazendo naquele local essas horas. Será se o Waguinho foi atrás da ex-esposa desarmado? O que ele tinha que ver se era ela que estava dentro do carro do policial aquelas horas? Se ele tivesse pego ela no carro mesmo com outra pessoa, o que ele iria fazer?

O mais interessante é que o fato dele ter feito uma denuncia contra o CORONEL e PREFEITO não tem nada haver com a FATALIDADE que ocorreu em nossa cidade.

ADULTÉRIO NÃO É CRIME.

SE O POLICIAL TIVESSE A INTENÇÃO DE MATAR, ELE TERIA DADO VÁRIOS TIROS OU ENTÃO TERIA MATADO O VAGUINHO TAMBÉM...