O que você procura?

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

COMISSÃO VAI APRESENTAR REQUERIMENTO PARA REABERTURA DO CENTRO DE ATENDIMENTO A JOVENS USUÁRIOS DE TÓXICOS

Comissão discute o tratamento de crianças e adolescentes viciados em drogas
Comissão discute o tratamento de crianças e adolescentes viciados em drogas 
A Comissão de Prevenção e Combate ao Uso de Crack e Outras Drogas da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) vai apresentar, na próxima semana, requerimento de pedido de reabertura do Centro de Atendimento e Proteção a Jovens Usuários de Tóxicos (Caput). O anúncio foi feito ontem, terça-feira (27/10), durante audiência pública, a requerimento do Deputado CABO JÚLIO, Vice-líder do Governo na ALMG, que debateu o expressivo aumento do abuso de drogas por crianças e adolescentes, bem como as políticas de combate às drogas no Estado. O encerramento das atividades do Caput em Belo Horizonte foi bastante criticado durante a reunião.

Comissão de Prevenção e Combate ao uso do Crack e outras Drogas debate o aumento do abuso de drogas por crianças e adolescentes
Juíza Valéria da Silva Rodrigues
O Centro, que prestava atendimento a adolescentes envolvidos com drogas, está fechado há mais de dois meses, desde a suspensão, em 30 de junho desse ano, de convênio com a Secretaria Estadual de Saúde. A juíza da Vara de Atos Infracionais da Infância e da Juventude de Belo Horizonte, Valéria da Silva Rodrigues, lamentou o fato porque não há nenhuma política pública estadual voltada para a orientação dos jovens viciados em drogas. “Não temos nenhum encaminhamento para dar, nenhum tratamento. Os Cersam e Capes AD são só para adultos, não tem preparo para atender os adolescentes. E eu já perdi as esperanças de qualquer governo ter políticas direcionadas para eles. Qual investimento o estado brasileiro faz na juventude?”.

O Deputado CABO JÚLIO reforçou que os dados comprovam que quatro em cada dez viciados começaram o contato com as drogas por meio do álcool. “Não deveríamos pensar uma disciplina no currículo escolar para discutir isso com os nossos jovens? Há descaso dos governos nas políticas preventivas e esse é um problema de todos os governos. Isso nunca foi política de Estado. E temos de trabalhar para mudar isso”. O parlamentar também chamou a sociedade de “hipócrita”, pois muitos “gostam de cheirar cocaína, mas não querem ter de lidar com a violência que se origina do tráfico”.

Comissão de Prevenção e Combate ao uso do Crack e outras Drogas debate o aumento do abuso de drogas por crianças e adolescentes
Superintendente de Prevenção da Seds
Fabiana Rodrigues
A superintendente de Prevenção da Secretaria de Estado de Defesa Social, Fabiane Rodrigues, também falou da ausência de políticas para crianças e adolescentes. “Só temos seis instituições no Estado todo que atendem os adolescentes. Isso é pouco demais. Precisamos que o Plano Estadual de Políticas Sobre Drogas saia do papel de uma vez. Já passou da hora dessa realidade mudar”.

O defensor público José Henrique Maia Ribeiro pediu a reativação do espaço. “Não sabemos o que fazer com esses jovens, para onde mandá-los. Antes tinham para onde ir quando se pedia a medida protetiva. Hoje em dia não temos expectativas de que essas medidas que promulgamos gerem resultados”. O promotor de Justiça, Jorge Tobias de Souza, disse que o Caput não deveria ter sido fechado, mas sim expandido para outras cidades. “Se era algo que estava dando certo, tinha de ter sido ampliado, isso sim”.

A coordenadora clínica da Associação Brasileira Comunitária para Prevenção ao Uso e Abuso de Drogas, Priscila Santos Pereira, reforçou que o Caput ajudava bastante, mas pediu também maior apoio e compreensão por parte do Estado com as Comunidades Terapêuticas. “Há muitos militantes da área, pessoas sérias, que desenvolvem projetos que valem a pena”.

Com ALMG - Foto: Raíla Melo
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários: