O que você procura?

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

LUTO PCMG: APÓS SEIS DIAS, MORRE ESCRIVÃO BALEADO DURANTE OPERAÇÃO EM TURMALINA

Vítima está internada no Hospital João XXIIIAllan Ferreira Couto, de 30 anos, estava internado no Hospital de Pronto-socorro João XXIII, em Belo Horizonte, mas não resistiu

O escrivão da Polícia Civil Allan Ferreira Couto, de 30 anos, que foi baleado na cabeça durante uma operação policial em Turmalina, na região do Jequitinhonha, no interior do Estado, e que estava internado no Hospital de Pronto-socorro João XXIII, em Belo Horizonte, morreu nesta quarta-feira (12).

Segundo a assessoria da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), o policial estava internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), em estado gravíssimo, mas não resistiu.

O crime contra Couto, que era lotado na Delegacia de Capelinha, ocorreu por volta de 12h30 do dia 6 de outubro, quando policiais civis e militares realizavam uma operação de cumprimento de mandados de prisão contra pessoas suspeitas de praticar roubos na região.

Segundo informou a Polícia Civil, Couto conduzia a viatura quando, ao passar pelo distrito de Casaratiba, na zona rural de Turmalina, viu um Fox e um Cruze vindo em alta velocidade contra os policiais. Os criminosos passaram atirando e um dos disparos acertou a cabeça do escrivão. Ocorreu uma troca de tiros, mas ninguém mais foi atingido.

O policial civil foi socorrido pelos companheiros e encaminhado para o Hospital de Diamantina, mas precisou ser levado para Belo Horizonte.

Suspeitos - Os criminosos abandonaram os carros e fugiram a pé por um matagal, que fica próximo ao local onde ocorreu o tiroteio. Até esta quarta ninguém foi preso, contudo, a Polícia Civil já identificou cinco suspeitos envolvidos na ação. 

Motivação - O crime ocorreu a poucos metros de distância do imóvel onde seria cumprido um dos mandados de prisão. Conforme informou a assessoria de imprensa da Polícia Civil, uma investigação foi aberta para saber se o tiroteio tem relação com o mandado de prisão que seria cumprido.

FONTE: OTEMPO

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários: